10.26.2009

give me love

'My love
Please take hold of my hand
That I might understand you'
George Harrison.




 


ele prometia amor a ela sem hesitar. prometia as estrelas, o céu, o mar, o sol, os anéis de saturno, e as mais lindas canções de George Harrison, enquanto ela sorria por dentro de tantos perjúrios. não que ela não o amasse, mas já haviam lhe prometido tantas vezes todo o amor do mundo, e no entanto machucaram seu coração com cuturnos de arame, que ela já não idealizava mais, e mentiras sinceras ela ouvia e fingia que acreditava. ela se fechava tanto que mal conseguia retribuir o que ele dizia com as mesmas belas palavras, imagine dizer 'eu também te amo'. ele dizia: 'você não vai acreditar mas eu amo apenas você' e ela respondia 'eu não quero seu amor emprestado'. ele elaborava façanhas e tentava provar que seu amor não era fajuto desde o momento em que acordavam até o derradeiro intante em que ela adormecia. ele combinava beijos com palavras, e mesmo enquanto ela dormia ele a beijava, e sempre tomava cuidado pra que ela nunca se queixasse de sua rudeza. algumas vezes ele a tomava bruscamente, puxando-a pelo quadril, de modo que ela ficasse presa ao corpo dele, e a beijava com ardor, e ela gostava disso. gostava tanto que mal sentia forças nas pernas. ele sabia agrada-la. só não sabia como fazer pra que ela se sentisse segura, pra que ela soubesse que ele não era como os outros. ela estava arisca, e não queria mais cair cegamente nos braços de alguém que por ventura, a fizesse sofrer mais na frente. porém, ela esquecia que o amor era um bem frágil, e que ele uma hora se cansaria de não ter de volta o sentimento sincero que oferecia. ela mal sabia, que ele havia prometido a si mesmo que se ela não se desarmasse, ele a deixaria com seus medos, e iria embora. e o tempo foi passando, até que um dia ele decidiu que se ela não o amasse plenamente assim como ele a amava, ele não queria mais. deu a ela um dia inteiro pra rever seu comportamento diante de todo o amor que lhe era oferecido.

passado o dia, ele foi ao encontro dela com o coração permeado de angústia, e pra sua supresa a encontrou sentada no chão da sala, despenteada, com o rosto molhado de lágrimas. e com os olhos que mais pareciam um mar cheios de ondas, ela o encarou, e com a voz meio rouca, apenas disse 'me abraça, por favor, eu só quero que me abrace'.

ele não entendeu e nem fez perguntas, apenas fez o que ela pediu, porque
apesar de tudo a amava incondicionalmente, e ele sabia que mais tarde ela ia ter certeza disso. ele a abraçou e a levou pra cama nos braços. ele nem percebeu, mas foi ali que ela teve certeza que ele era o cara certo, e nessa mesma noite, o cobriu de beijos, e deu a ele, todo o amor que ele sempre mereceu e ela teve medo de demonstrar. a verdade é que ela sempre o amou, o que ela tinha era medo de sofrer, e se entregar por completo...e mais uma vez cair num desses jogos levianos de amor.





Give me love
Give me light
Give me life

29 comentários:

  1. É por isso que medo não vale de nada. Medo, prepotência, receio, ânsia de tudo que entala... é tudo uma droga. Seria mais fácil se fosse feio. Como é bonito, é simples. Simples costuma ser complexo, mas tem fim (bom ou não).

    ResponderExcluir
  2. Olá luna!

    Sim, mais denso do que eu gostaria que fosse e talvez mais do que eu posso suportar...mas vamos lá, viver um dia, apropriadamente após o outro. E aprender algo com as cicatrizes que ficarem...


    A auto- proteção é uma conduta questionável, mas não é de toda desnecessária...quando se fere um coração que se abre demais, se expõe, se arrisca, ele se fecha...não podemos impedir que se "recolha" para se refazer e quem sabe, recomeçar um novo amor?
    É preciso estar certo para isso...é preciso muito para pular mais uma vez...
    Talvez esta seu eu...na próxima página de minha vida!

    Um abração!

    Adoooooooooooro suas palavras e sempre, sempre mesmo me emociono com elas...

    ResponderExcluir
  3. Quem nunca se fechou com medo de sofrer novamente? Acontece que perdemos lindas oportunidades e pessoas especiais se não nos abrirmos para o novo...mas como é difícil!!
    Simplesmente maravilhoso o texto!!
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  4. ai ai ai amiga
    Que ótimo que ela teve tempo de descobrir que o sentimento que ela tinha dentro dela era amor por ele ...
    na verdade ela tinha medo de se entregar , de amar ... era apenas medo ...
    acho que todas nos somos meio assim não é ??
    lindo post
    bjussssssssss

    ResponderExcluir
  5. Insegurança é uma bosta e é ruim também porque vemos e sentimos coisas ruins que as vezes nem existem.

    Não é simples curá-la e digo isso porque sofre disso. O medo nos cega.
    Mas acho, assim como no seu texto, que quando há amor tudo se supera.

    Temos gostos parecidos pelo visto. Beatles é maravilhoso, mas percebo que você cita a carreira solo de alguns deles e George Harrison tem uma carreira solo maravilhosa, e essa música é demais.

    Beijos Luna e obrigado por elogiar a letra da minha música que postei.

    ResponderExcluir
  6. Sempre há medo, mas é maravilhoso quando há amor e entrega! Lindíssimo post :) Bjs e obrigada :*

    ResponderExcluir
  7. perfeito perfeito perfeito Oo
    realmente parece que esta acontecendo comigo, apenas não sei se o final vai ser assim tão romantico*-* amei

    ResponderExcluir
  8. amei ,
    achei apropriadíssimo.
    adorei o desenrolar ,o inicio o fim.
    ah,TUDO*

    ResponderExcluir
  9. sempre me entrego e acabo em lagrimas, preciso tomar essa mesma atitude. Observar com calma o amor, deixar ele crescer no outro antes de mim, assim se ele estiver a ponto de sofrer, todo amor cultivado lhe entrego,suficiente para nao pensar no tempo sem retribuiçao, suficiente para ambos se sentirem amados. Mais isso só depois de um tempo...

    ResponderExcluir
  10. Quem vive com medo, vive pela metade. Não ama, não dança... mas, entendo ela. Só sabemos amadas completamente quando estamos despenteadas, descalças na sala de estar e pedimos apenas um abraço!!!

    ResponderExcluir
  11. às vezes dá-me para o "desbloquear". Pensei que te tivesse na lista, mandas-me o teu e-mail daqui da conta para eu mandar convite?
    Um beijinho! *

    ResponderExcluir
  12. pois mas é por o ter desbloqueado, depois só vai dar pra ter acesso se mandar um convite para o teu mail (se quiseres nao aceito o comentário com o mail)..
    sou sim, brasileira?

    ResponderExcluir
  13. "o que ela tinha era medo de sofrer, e se entregar por completo...e mais uma vez cair num desses jogos levianos de amor."
    essa parte eu entendo bem...
    coração burro é assim...

    ResponderExcluir
  14. Que lindo :$
    o medo existe sempre... e é tão bom quando nos libertamos dele :D
    desculpa a invasão

    ResponderExcluir
  15. o medo vem as vezes para um final, e outras tantas para provar que é apenas o começo de tudo... o amor aqui é suave...

    Grande Abraço! Moça que Dança!

    ResponderExcluir
  16. O medo estraga a vida, sem dúvida. Mas se é amor ímpar, singular, daqueles que o mundo para, que só o olhar já diz um livro, o perfume enebria, e só um abraço resolve todos os problemas... Bem... Daí não tem jeito. Espera-se 1,2,3,4,5 anos... Um dia é pouco. bjs

    ResponderExcluir
  17. O medo faz parte, só não deve tomar conta. O importante aí, foi ele não ter desistido e ter mostrado a ela que realmente era diferente. Isso sim fez o medo dela ir diminuindo, por que a segurança é crucial.

    Lu, me encanto cada vez que venho aqui. Viciei nas tuas palavras, admito. Todas lindas.

    Beijos, moça!

    ResponderExcluir
  18. Menina! daqui nao saiu, daqui ninguem me tira...!heheheheheh
    Muito bom esse texto viu?! de verdade...gostei msmo. Ja tinha passado por aqui, favoritado e tudo mais, so nao cheguei a ler, e agora fiz isso.

    ResponderExcluir
  19. Nossa! Muito bom teu texto, parece que 'ela' era eu! ^^

    Nunca mais saio daqui :)

    ResponderExcluir
  20. Juro que vi tudo enquanto lia. Adorei.

    ResponderExcluir
  21. Por muitas vezes jogamos a felicidade no ralo, por medo, por já ter sofrido muito.
    Acabamos sendo injustas.
    Mas, quando o "cara" chega com jeito, sem pressa e sabe a hora de agir, tudo se resolve.

    amo ler você, sem cansar...

    ResponderExcluir
  22. tava aqui pensando...

    é que a gente tem mania de depositar nos próximos, independente do tipo, frustrações e sentimentos que já sentimos e vivemos antes. que nada. bom mesmo é começar denovo e denovo e denovo. tá, a gente se entrega demais, sofre demais, mas ama demais. e é isso que importa, né não?

    beijos em você, tão querida!

    ResponderExcluir
  23. e-ah!

    eu sou uma fã amante e caçadora de boas imagens, assim como você!

    beijoca!

    ResponderExcluir
  24. Por tantas vezes eu quis ser assim...contida...difícil de ser convencida...

    Por tantas e tantas vezes desejei não me entregar, não mergulhar de corpo e alma...mas descobri que é inevitável...faz parte de mim.

    Texto maravilhoso!

    Querida, obrigada pela visita! ;)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  25. pq a gente sempre tem que ter medo do que é simples e gostoso? pq não se entregar fácil e viver as coisas boas e belas que o 'jogo leviano' tem a oferecer?
    beijos

    ResponderExcluir
  26. Isso é auto biográfico?
    Luna,teus posts me emocionam tanto que me fazem mal,e,porra,eu sou macho demais para me emocionar.Ainda bem que não tem ninguém vendo...
    E aqueles dois com cara de tristes somos eu e o Anderson imonados em São Tomé das Letras.Eu sou o mais feinho.

    ResponderExcluir
  27. Vc tocou em alguns dos pontos fundamentais da existência e manutenção do amor. A principal delas é a interação entre afeto, provocação e afastamento. Rudeza, ardor, fragilidade. Ótimo ângulo de observação para um tema tão abrangente!

    ResponderExcluir

- me concede uma dança?

Baila Comigo está protegido por uma Licença Creative Commons. Credite.

Licença Creative Commons