10.17.2009

easy like sunday morning



'señorita, mas fina, who's that girl?'
Madonna.




 
outro dia ela sentiu vontade de organizar suas coisas que estavam espalhadas pelo seu quarto desde que ele foi embora. foi à rua, comprou vinho e cigarros, afinal, ela sempre gostou de dar uma pitada de prazer em tudo. começou pelas suas revistas de música, organizando-as por mês, e colocando empilhadinhas cuidadosamente, e aqui e acolá relia uma matéria ou outra, se perdendo entre beatles e elvis, madonna e metallica e várias de suas bandas favoritas.

enquanto separava os discos, ela percebia o quanto ela gostava de coisas diferentes uma da outra. o que ela não gostava era de ter limites musica
is. seu critério era único: devia ter um 'quê' de especial. ela relia as matérias e fazia os mesmos comentários como se fosse a primeira vez que estivesse lendo. e sorria entre tragos, de sua tolice.

de tão distraída que é, nem notou que muitas horas já tinham passado, e ainda havia muita coisa pra pôr no seu devido lugar. logo que terminou de guardar suas revistas, sentou-se para tirar a poeira dos seus discos antigos. ela se deu conta de precisava de música pra continuar - é um erro mexer com lembranças sem música ao fundo. escolheu um disco que marcou sua infância, quando ela nem sabia o que significava 'virgin'. tirou da capa e colocou na vitrola seu primeiro disco da
Madonna - Like a Virgin. e enquanto continuava a tirar a poeira dos outros ela cantava mais alto que a própria Madonna, acompanhando a música. como ela nunca soube ser normal, ela parou o que estava fazendo e se pôs a dançar. acendeu um cigarro, encheu sua taça de vinho, fechou os olhos e deixou a música entrar. colocou seu lado A e B pra fora, dançou e cantou sozinha como uma garota com alma, com vida. ela havia esquecido de quem ela era, e naquele momento lembrou-se que aquela era ela de verdade: alguém que dança sozinha. e sentiu uma paz fantasiada de felicidade naquela solidão. seguia o ritmo da música 'señorita mas fina, who's that girl?' e sorria se entregando aos prazeres etílicos. Madonna era amor antigo, gostava desde menina pequena. aos oito anos foi convidada pra uma festa a fantasia e cismou que só ia se fosse vestida de Madonna. e assim ela foi. nenhuma criança quis brincar com ela. nem a odalisca, nem a princesa e nem a barbie. afinal quem brincaria com uma menina vestida de meia arrastão preta, saia de tule preta, luvas pretas, botas, batom vermelho, correntes e unhas pretas? mas ela pouco ligou, afinal, ela era a própria estrela. e lembrando disso ela deu gargalhadas altas, que podiam ser ouvidas a km de distancia.

a cada minuto ela encontrava a si mesma em suas mil lembranças espalhadas pelo quarto em revistas e discos. já pela segunda garrafa de vinho, e alguns poucos cigarros, ela já se sentia dona de si, e se sentia levemente embriagada também. a tristeza tinha ido embora de vez, e de suas melhores lembranças ela tirou motivos pra seguir em frente. ela anotou num papel pra jamais esquecer 'quando minha música estava prestes a morrer, eu cantei e dançei' e colou no espelho do quarto. então colocou o disco do Faith no more pra ouvir sua música favorita...tomando a última taça de vinho e fumando seu derradeiro cigarro.

- foi quando se sentiu inteira de novo.





'That's why I'm easy
Oh, oh, oh, oh

I'm easy like a Sunday morning'
Easy - Faith no More





15 comentários:

  1. nossa! sou eu de vestido neste texto!

    FODA! muito bom!

    ResponderExcluir
  2. a vida tem trilha sonora a cada segundo acredito mais nisso cegamente,por isso feliz aquele que vive intensamente valendo a pena cada nota da musica trilha sonora de sua vida.

    ResponderExcluir
  3. Eu vivo fazendo isso, dentro e fora da minha alminha.

    [marcelão revelando seu lado fèmme]

    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Ai, que gostoso. Ter trilha sonora em qualquer coisa é como reter a memória na concretude de todos os sentidos.

    E com vinho então...;)

    Bjos

    ResponderExcluir
  5. Eu teria brincado com você. Eu fui à mesma festa... fantasiada de Cher. :)

    ResponderExcluir
  6. Tão bom quando esses momentos acontecem. Música sempre ajuda na aparição deles e no reencontro com nossa parte perdida (ou esquecida).

    Ótimo texto!

    Beijo, moça!

    ResponderExcluir
  7. cara esse seu blog é MUUITO massa, estou seguindo bjs!

    ResponderExcluir
  8. E a Musica nunca para!

    Otimo Texto!
    Grande Abraço! Moça que Dança!

    ResponderExcluir
  9. Sempre faço isso!
    Alivia a alma!
    Adoro dançaaaaar!

    Muito bom o texto!!!
    Viciante tua escrita!
    =)
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. uhmmm agora então entendi a sua frase... =D
    é interessante como as vezes as lembraças nos levam a patamares de felicidade incríveis...
    Só p finalizar... to aqui imaginando a menininha vestida de madonna!! hahahhahah

    Bjaooo luna!

    ResponderExcluir
  11. Ah, como é maravilhoso esse reencontro conosco, como é bom redescobrir a nossa essência, que estava guardada à espera de uma oportunidade de sair.

    Querida, muito obrigada pela visita e pelo carinho lá no blog. Desculpe a demora em vir aqui.

    Um beijão e uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  12. É sempre bom organizar as coisas. e reorganiza-las, sempre.

    Ah adoro essa musica da Faith no More *--*

    ResponderExcluir
  13. Que lindo... fora o cigarro, me vi dançando, cantando e bebendo algumas taças de vinho!
    Este reencontro é delicioso! Aproveite!
    Beijos

    ResponderExcluir

- me concede uma dança?

Baila Comigo está protegido por uma Licença Creative Commons. Credite.

Licença Creative Commons