10.11.2010

coisas da vida

domingo, por volta das 10hs da manhã, fui pegar umas coisas no apartamento de uma amiga, que, ao invés de me receber com seus sorrisos habituais, veio em minha direção caminhando pesadamente, erguendo os braços, já desabando em lágrimas. fiquei meio assustada, mas abraçei-a e fomos até o quarto em silêncio, e por uns quinze minutos eu apenas deixei que ela chorasse sentindo aquela dor da humanidade inteira. ela parecia um pontinho de tristeza deitado numa cama grande. senti dó da minha amiga, e feliz por estar ali, pra cuidar dela. não fiz perguntas. apenas esperei ela desafogar os pulmões, e respirar um pouco. eu já sabia que dor era aquela, e pra essa dor, não há anestesia e nem posição confortável. no apartamento a cena era triste. manchas de vinho na parede, alguns sushis esquecidos na pequena e redonda mesa de jantar,  cacos de uma taça quebrada varridos para um canto, um cd da etta james partido ao meio, roupas, discos, e fotografias rasgadas espalhadas pelo chão. mas o que mais me doía era ver minha pobre flor despetalada murchando no meio daquela cama. minha doce amiga, que há algum tempo já vinha perdendo suas pétalas por falta de cuidado alheio.

sim, é a velha história clichê do cara que promete largar a namorada. 
só que neste nesse caso, ele largou minha amiga. 

admito que não fiquei surpresa com o motivo de sua enorme dor, mas senti repulsa e me dei ao luxo de sentir ódio. não dela, e sim dele, afinal, anos e anos de promessas, todas quebradas numa noite, de uma forma cruel, egoísta, e má, por um homem inescrupuloso, dá muito ódio. o filho da puta, literalmente, depois que comeu, contou que ia ser pai, ia casar,  e mudar de cidade, depois pediu pra ser deletado como se a vida fosse um facebook com aplicativo, que tu vai lá e remove.  é mesmo um filho da puta, um filho da puta, um filho da puta. 

eu sempre temi por esse amor clandestino da minha querida. quando eu via os dois juntos, eu sentia o cheiro de mentiras nojentas no ar, mas o que eu deveria ter feito, além de ter dito 'cuidado, que este amor é areia movediça'? o que eu poderia fazer, eu fiz, eu estava lá, para o que der e vier. não dou broncas nem antes, nem durante, e nem depois. e quando sei que dói mais do que eu posso imaginar, eu prefiro dizer coisas engraçadas sobre o momento pungente, pois qualquer esboço de sorriso alivia por um segundo qualquer dor. sei que a tristeza profunda e o ódio infinito que ela sente, não vai ser minimizado por um sorriso aqui, outro acolá, mas  sei que por quase dez segundos, eu a vi sorrir, e quase pude sentir minha amiga se agarrando a vontade de ser feliz de novo. sei que ela vai sair dessa, mas sei que nesse momento não há espaço para  alegria dentro de um coração em carne viva, e não vou insistir pra que ela chute a tristeza agora. vou apenar esperar, respeitar a fase de olheiras que virá, e garantir todos os dias, que não falte motivos pra ela ser feliz de novo. e só.



9 comentários:

  1. Ficou lindo o novo layout!
    As palavras eu nem preciso falar né?
    Beijos saudosos!

    ResponderExcluir
  2. "Filho da puta!!"
    mais 3 vezes...

    concordo com Auíri, gostei do lay novo. Você sempre 'de mudanças' aqui, ne? :D
    Ó amei, amei, amei o texto passado... a suavidade e a cumplicidade que eu lia, parecia estar lendo a narração da minha relação.. que maravilha é o amor.

    ResponderExcluir
  3. traição não é seguro pra ninguém
    ainda mais qd dura anos.

    qd a pessoa quer de verdade, ela larga.

    ela devia ter largado ele antes, qd percebeu q queria ser feliz.

    talvez a hora dela seja agora.
    Que ela tenha sorrisos

    ResponderExcluir
  4. Não podemos proteger as pessoas das suas próprias vidas e escolhas, só podemos fazer como tu fez, oferecer ombro e silêncio depois.

    Se faz isso por amizade, por amor.

    Beijo, Lu!

    ℓυηα

    ResponderExcluir
  5. A descrição da cena é fantástica, além de toda a sutileza da personificação da tristeza. O que vc podia ter feito nessa história, vc fez de melhor forma: estar lá.
    Bjs
    Vc transformou escuridão em luz.

    ResponderExcluir
  6. O melhor que tu pode fazer, tu fez, que é estar presente. O texto ficou lindo e eu quase chorei lendo (identificação a cena manda beijos). Força pra tua amiga :*

    ResponderExcluir
  7. Nós somos o fruto de nossas escolhas, temos livre arbítrio, o que você poderia ter feito, você fez, alertar, cuidar sempre... e quando casa caiu, a areia se moveu, quando tudo desabou, era você que estava lá para confortá-la!

    Infelizmente, você não pode proteger sua amiga dela mesma! rs.

    ResponderExcluir
  8. Tá, serei sincero.
    Fiquei com preguiça de ler todo o post porque meus olhos doem e estou com pouco tempo! Haha

    Mas gostei bastante do novo layout ;)

    Beijo.

    ps: e eu tenho sempre um livro comigo, então em qualquer fila de banco, no carro, intervalo de aula e etc eu leio! Hehe

    Bom feriado!

    ResponderExcluir
  9. eles nunca largam, é fato.

    mas ó, não precisa dizer nada, se faça presente e pronto, isso é mais q suficiente.

    bjs

    ResponderExcluir

- me concede uma dança?

Baila Comigo está protegido por uma Licença Creative Commons. Credite.

Licença Creative Commons